img4 960 540

Caminhadas pela Vida reuniram alguns milhares de manifestantes nas 5 cidades onde se realizaram, Lisboa, Porto, Braga, Aveiro e Viseu. O silêncio mediático antes e após as marchas pró-vida foi quase total mas a mensagem está dada: À porta do Parlamento ficou clara "a tolerância zero para com as políticas fraturantes" e, como referiu Isilda Pegado, “O nosso voto será para quem defenda os valores da vida e da família, não o entregaremos às cegas”.

http://www.agencia.ecclesia.pt/portal/portugal-caminhada-pela-vida-foi-ao-parlamento-afirmar-tolerancia-zero-para-politicas-fraturantes/

“O nosso voto será para quem defenda os valores da vida e da família, não o entregaremos às cegas”

Portugal: «Caminhada pela Vida» foi ao Parlamento afirmar tolerância zero para «políticas fraturantes»

Out 27, 2018

http://www.agencia.ecclesia.pt/portal/portugal-caminhada-pela-vida-foi-ao-parlamento-afirmar-tolerancia-zero-para-politicas-fraturantes/

«Há uma cidadania pró-vida, que vale votos e portanto não pode ser ignorada», frisou Isilda Pegado, que integra a organização desta marcha

Lisboa, 27 out 2018 (Ecclesia) – Milhares de pessoas saíram hoje à rua, para a edição deste ano da ‘Caminhada pela Vida’, nas cidades de Braga, Porto, Aveiro, Viseu e Lisboa, e deixaram uma mensagem de tolerância zero contra políticas que não defendam a vida e a em todas as suas etapas.

Na capital portuguesa, a marcha seguiu desde o Largo de Camões, no Chiado, até às portas da Assembleia da República, e envolveu crianças e jovens, adultos e idosos, famílias, casais com filhos pequenos, que levantaram alto os seus cartazes e afirmaram um “sim” à vida e “não” a diplomas e leis que defendam práticas como “a eutanásia, o aborto, as barrigas de aluguer”.

“Que fique bem claro que nem um só voto nosso irá para alternativas políticas que não defendam a vida”, frisou José Maria Seabra Duque, o coordenador desta ‘Caminhada pela Vida’, já em frente ao Parlamento português.

A edição deste ano aconteceu meses antes das eleições legislativas em Portugal, e também na antecâmara das eleições europeias, marcadas para maio de 2019.

Isilda Pegado, presidente da Federação Portuguesa pela Vida (FPV), salienta que “o que se pretende afirmar com esta marcha é que há uma cidadania pró-vida, que vale votos e portanto não pode ser ignorada pelos políticos” nem por quem quer fazer passar “políticas fraturantes” em relação a esta temática.

“O nosso voto será para quem defenda os valores da vida e da família, não o entregaremos às cegas”, frisou a advogada e antiga deputada.

Durante os próximos meses, até às eleições, a FPV irá “sensibilizar” os cidadãos “para a responsabilidade política que é votar”, e por outro lado fazer chegar aos partidos políticos e aos candidatos aos próximos sufrágios um questionário sobre “as matérias que tanto têm preocupado o povo português”.

Para que “os políticos tenham consciência de que há uma forma de organizar que é aquela que pode produzir mais felicidade, mais capacidade à própria sociedade, maior crescimento, maior população”.

“Queremos que haja este despertar de consciências cívicas e políticas”, salientou Isilda Pegado, que não compreende por exemplo porque é que “foi revogada por este governo” a lei que dizia respeito ao ‘Apoio à paternidade e maternidade’.

“Foi uma medida que nasceu desta caminhada, e a primeira lei que a geringonça aprovou no Parlamento, a 18 de dezembro de 2017, foi precisamente para revogar esse apoio. Não podemos calar esta circunstância”, afirmou Isilda Pegado, junto de todos os participantes.

A FPV recorda que esta questão é tão mais grave quando os números indicam que “o aborto é um flagelo que atinge mais de 16 mil mulheres por ano”.

“Mais de 16 mil crianças por ano deixam de nascer, mais de 800 salas de aula ficam por abrir”, destacou Isilda Pegado.

Entre os pessoas que marcaram presença na ‘Caminhada pela Vida’, em Lisboa, esteve José Ribeiro e Castro, advogado e antigo presidente do CDS-PP, que além de outros projetos lidera atualmente a Associação por uma Democracia de Qualidade.

Para aquele político, “é importante que estes movimentos cívicos se possam manifestar, e sente-se que de ano para ano esta caminhada pela vida está a juntar mais gente, e sobretudo muita juventude”.

“O direito à vida é o mais importante dos direitos fundamentais, é o fundamento de todos os outros, e é importante que as leis sinalizem isto, expressem isto e o traduzam. A nossa Constituição tem uma proclamação que não podia ser melhor: a vida humana é inviolável”, lembrou José Ribeiro e Castro, que espera que os próximos atos eleitorais expressem isso.

“A última legislatura, que ainda está a decorrer, foi marcada por tentativas muito negativas, da eutanásia, e realizações muito negativas em vários aspetos da estrutura da família e do respeito dos valores da vida. E anunciam-se mais tentativas na próxima legislatura. Portanto é muito importante que essa questão não seja furtada ao debate e que os partidos tomem uma posição clara”, completou.

A próxima ´Caminhada pela Vida’ já está marcada para 26 de outubro de 2019.

JCP