Associao Famlias 

  

Associações pró-vida, do Minho ao Algarve, cada uma à sua maneira, têm ajudado vítimas dos incêndios deste ano.

“Não podemos ficar indiferentes".

A Associação Famílias de Braga promoveu evento e ofereceu enxovais a vítimas dos incêndios

 

A Associação Famílias, sediada em Braga, mas com intervenção em toda a região, promoveu um evento solidário com oferta de 12 enxovais completos a famílias carenciadas e vítimas dos incêndios de Junho e Outubro que enlutaram Portugal.

 

O evento decorreu no Centro Cultural e Desportivo da Segurança Social, na zona de Santa Tecla, em Braga, assinalando os 30 anos de existência da associação, que foi fundada por um casal de professores de Braga, Carlos Aguiar Gomes e Maria Luísa Vasconcelos Aguiar Gomes, que têm ainda dinamizado a iniciativa Arca do Bebé, com a oferta de uma média de cerca de 200 enxovais, por ano, às famílias que precisam. Uma das diversas individualidades presentes no jantar foi Firmino Marques, vice-presidente da Câmara Municipal de Braga.

No seu discurso, Carlos Aguiar Gomes, presidente da Associação Famílias, agradeceu, a todos os presentes e também aos que estando ausentes, contribuíram para este jantar, em que também destacou «os nossos voluntários que ao longo destes 30 anos de uma forma desinteressada tanto têm contribuído para que a nossa associação tenha podido e ainda que continue a poder irradiar o bem».

Carlos Aguiar Gomes disse que «seria indecente e profundamente injusto da minha parte não citar a minha mulher, a mais antiga voluntária e meu suporte básico de vida no serviço à vida humana e às famílias».

Uma das principais actividades da Associação Famílias, de inspiração católica, tem sido a oferta de enxovais a mães carenciadas, por todo o distrito de Braga, com o auxílio dos voluntários e colaboradores da instituição, bem como de mecenas que a cada passo vão disponibilizando alguns bens, para a materialização da ajuda às famílias desfavorecidas. 

A Associação Famílias foi criada a 3 de Novembro de 1987, em Braga, mas tem vindo a desenvolver acção igualmente nos concelhos de Vila Verde, Amares e Terras de Bouro, em parte por solicitação do Tribunal de Família e Menores de Braga ou das respectivas Comissões de Protecção de Menores e Crianças em Risco.
Tendo sido fundada inicialmente para lutar contra o flagelo da toxicodependência, a Associação Famílias passou a dedicar-se também à defesa da vida, isto é, contra actos como o aborto, apoiando ainda famílias afectadas por desemprego de longa duração, em que parte dos cidadãos são auxiliados inclusivamente em termos alimentares.

As receitas do jantar reverteram para a reconstrução do Centro de Actividades de Tempos Livres (CATL), instalado no Bairro Social das Enguardas, em São Victor, a freguesia mais populosa, no concelho de Braga, onde a Associação apoia já 54 crianças.A Associação Famílias dispõe ainda do Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP 15 de Maio), na Travessa José Gabriel Bacelar, em São Victor, Braga.

 

Mais informação sobre a associação famílias:

CAFAP - Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental

O CAFAP 15 de Maio é uma resposta social que se destina ao acompanhamento de crianças e jovens em situação de perigo e suas famílias ao nível do apoio familiar e aconselhamento parental. Esta intervenção assume uma particular relevância, dado que, em estreia articulação com a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens, as Equipas Multidisciplinares de Assessoria aos Tribunais (Tribunal de Família e Menores de Braga) e outras instituições sociais de âmbito concelhio, pretende proteger e potenciar o bem-estar das crianças e dos jovens, fortalecendo as famílias e dando-lhes autonomia.

Para atingir este fim desenvolvemos as seguintes actividades:
- Formação parental;
- Avaliação e acompanhamento das condições sociais;
- Acompanhamento psicológico individual e intervenção psicológica em grupo;
- Ludopedagogia;
- Atendimento jurídico;
- Mediação familiar;
- Supervisão de visitas entre crianças e pais;
- Dinamização de voluntariado;
- Acções de sensibilização junto da comunidade;
- Encaminhamento para entidades parceiras;
- Outras actividades que se enquadrem na promoção e protecção de crianças e jovens em perigo.